Hipercalemia: como reconhecer ao ECG e como tratar


A hipercalemia é definida por elevação dos níveis séricos de potássio (K+ > 5,5mmol/L) e pode estar presente em uma grande diversidade de situações clínicas podendo estar relacionada à doença de base ou ser efeito colateral de uso de determinados medicamentos. A hipercalemia não tratada pode levar à arritmias graves e à morte.

O eletrocardiograma é uma excelente ferramenta na avaliação inicial do paciente com hipercalemia. A presença de alterações eletrocardiográficas já indicam a necessidade de tratamento desta condição clínica. As principais alterações são: presença de ondas T apiculadas e ondas P pequenas ou indetectáveis. Outras alterações podem estar presentes e estão descritas nas figuras abaixo.

Quanto ao tratamento, devemos inicialmente proteger o coração com o uso de gluconato de cálcio, visando reduzir o potencial arrítmico da hipercalemia. Na sequência, introduzimos medidas para reduzir os níveis de potássio na corrente sanguínea. Existem diversas opções para tal que devem individualizadas conforme o quadro clínico. Exemplo: em um paciente renal crônico, dialítico, a melhor opção será a diálise.

As opções de tratamento estão listadas na figura abaixo:

ALINNE GIMENEZ FERREIRA

Professora do Plantão Médico

Graduação em Medicina - UFJF

Residência em Cardiologia - UERJ

Residência em Ecocardiografia - UFRJ

Título de especialista em Cardiologia – SBC

Professora de Clínica Médica – Universidade Estácio de Sá

#hipercalemia #ECG #insulina #diálise #gluconatodecálcio #furosemida

Posts Em Destaque